banner
Economia
Encontro com o economista Ricardo Paes Mamede

Esta semana, o “Encontro com o Cientista” da Escola Ciência Viva foi com o economista Ricardo Paes Mamede, que conduziu a sessão a partir das perguntas dos alunos.

Um economista é um cientista?
A economia é uma ciência?


Os economistas não trabalham num laboratório, também não trabalham de bata, mas podem fazer experiências … Mas, nem todas as experiências em economia podem ser feitas.
Um cientista tenta perceber o funcionamento do mundo e, neste caso, os economistas também. Mas para além de cientistas, os economistas também se parecem um pouco com engenheiros, que procuram aplicar o conhecimento científico para resolver problemas …
Os economistas fazem um bocadinho dos dois: alguns economistas procuram saber como funciona a economia e por isso são mais próximos dos cientistas, outros, os que aplicam o conhecimento para resolver problemas económicos são os engenheiros.




O que estudam os economistas?
Na economia há vários agentes económicos: empresas, trabalhadores, ...
Há relações diretas na economia das pessoas que trabalham e das que produzem, isto é: ganham dinheiro a trabalhar e gastam o dinheiro nas empresas que produzem os produtos.
Outros agentes económicos são os bancos. A grande função dos bancos é emprestar dinheiro para comprar coisas que não podemos comprar de uma vez, porque a maioria das pessoas e empresas não têm esse dinheiro. Por exemplo, uma casa. Ou se uma empresa quiser montar um negócio, também pode pedir dinheiro emprestado ao banco.
Outro agente é o Estado. O Estado recebe dinheiro e dá dinheiro: vai buscar o dinheiro aos impostos e utiliza esse dinheiro para investir na construção de serviços e equipamentos: as estradas, escolas, hospitais…
A economia é a ciência que estuda o fluxo do dinheiro com base na relação entre os diferentes agentes económicos. A função dos economistas é perceber como funcionam estas relações e porque é que muitas vezes não funcionam bem.






Exemplo de perguntas a que os economistas respondem:
Como é que as pessoas decidem o que compram e quanto?
Como é que as empresas decidem o que produzem e quando?
Como se fixam os preços dos produtos?

Por exemplo, porque é que um lápis é mais barato que o computador? O computador é mais caro porque dura mais, tem mais peças, tem peças eletrónicas que são mais caras, e o material das peças é mais difícil de encontrar. O computador tem mais funções.
O economista tem de pensar quanto custa produzir, ou o trabalho de produzir determinado artigo, o que está dependente de vários fatores.

Como é que se fixam os salários?
Porque é que há desemprego (parte de cientista)? Como combatê-lo? (parte do engenheiro)
Porque é que há crises? O que pode/deve ser feito para as evitar?

Crise são quando as coisas começam a funcionar mal numa economia, por exemplo as pessoas não conseguem pagar o empréstimo ao banco... As empresas não conseguem produzir e não conseguem pagar aos trabalhadores, que sem salário não conseguem comprar…

Como ocupo os meus dias? O que faz um economista no seu dia a dia?
Qualquer cientista tem de dedicar muito tempo a estudar o que outros cientistas já investigaram e escreveram sobre o assunto. Por isso, passo muito tempo a ler o que outros economistas escreveram.
Parte do trabalho que desenvolvo consiste em tentar perceber porque é que houve uma grande crise económica em Portugal e, para isso, leio e estudo as explicações de outros economistas. Depois, recolho dados e confronto-os com os dados dos outros economistas.
Posteriormente, escrevo os resultados das minhas reflexões e pesquisas e discuto o meu trabalho com outros investigadores.
Para ficar a conhecer o que se passa no mundo à nossa volta, leio jornais, revistas, vejo notícias e participo no debate público. Quando me pedem, dou opiniões especializadas.

Faço muitas contas?
Apesar de nem sempre ser necessário fazer contas é importante ter sensibilidade para a Matemática.

Trabalho sozinho ou com outros?
Apresento e discuto os meus trabalhos com outras pessoas. Em ciência há sempre essa condição: temos de estar predispostos a expor o nosso trabalho e a receber críticas de outros e, também, a trabalhar em equipa.

É complicado ser economista?
É tão complicado como fazer outra coisa qualquer. O “complicado” de todas as decisões que tomem para o futuro, vai depender da exigência que coloquem no vosso desempenho no trabalho. Fazer uma coisa muito bem exige esforço, dedicação e persistência e, por isso, ser economista ou desempenhar qualquer outra profissão, se quisermos ser muito bons, pode ser “complicado” … Isto é, pode ser “complicado” ter a exigência de fazer coisas interessantes e bem feitas.

Porque é que há tantas desigualdades? Porque há muitas pessoas com pouco dinheiro e outros com muito?… Porque há países com mais dinheiro que outros?
Há vários fatores que contribuem para estas diferenças:

    • Pode ser esforço que pode estar associado ao sucesso;
    • Sorte e azar;
    • Diferentes capacidades nas pessoas, proporcionam possibilidades diversas. Por exemplo, há pessoas que trabalham bem com o computador e outras não. Esta diferença pode gerar distintas oportunidades. Mas as ocasiões de acesso aos computadores, também criam diferentes oportunidades;
    • Os recursos que se tem à partida (recursos financeiros, recursos naturais, infraestruturas e equipamentos, conhecimentos e competências, outros), podem fazer toda a diferença;
    • A educação é também um recurso muito importante porque quanto mais conhecimento obtivermos mais possibilidades de sucesso podemos ter;
    • O poder que os recursos nos dão em cada situação;
    • O uso que se consegue dar aos seus recursos em cada momento… Por exemplo, quando uma pessoa está doente não consegue usar os seus recursos na totalidade. A mesma situação se passa quando um país esta em guerra ou com conflitos, também não consegue usar os seus recursos na totalidade.


E como podemos reduzir as desigualdades?
Este é um problema que os economistas tentam resolver. E como é que o estado combate estas desigualdades? Garantindo o acesso à escola e à educação; à saúde, ...
Distribuindo os recursos mais equitativamente. Os impostos são uma das formas de combater as desigualdades. O Estado pode usar os impostos para distribuir a riqueza. Nomeadamente, garantindo e pagando escola para todos as crianças, assegurando que todos têm acesso à saúde, entre outras coisas. É função dos estados contribuir para que todos as pessoas consigam tirar o melhor partido possível dos recursos que têm disponíveis e, colaborar na ajuda internacional para repor o nível de bem-estar das populações, quando há catástrofes naturais.

Seria possível todas as pessoas terem a mesma quantidade de dinheiro? Sim, o estado podia distribuir equitativamente o dinheiro por todos. Seria desejável? Não!
Para além dos recursos, do poder e da sorte, o dinheiro que as pessoas têm, depende também de outros fatores:

    • da urgência que sentem em usá-lo para comprar algo ou da vontade de poupar para investir. A economia só acontece da existência destas diferenças;
    • da vontade de ganhar dinheiro. Se, na nossa sociedade, todas as pessoas tivessem garantido o dinheiro, o seu empenho para trabalhar, podia diminuir.

Não fazemos as coisas só por dinheiro. Mas, quando temos dinheiro no bolso, nem todos fazemos as mesmas coisas com ele: uns poupam, outros gastam. Mas, também não é justo uma sociedade com grandes desigualdades.

Porque é que o salário mínimo é diferente de país para país?
Em primeiro lugar porque os salários dependem do que se produz. Por exemplo, há países que produzem bens de maior valor e conseguem pagar salários mais altos.
Mas, também tem a ver com a política e com as decisões que os governos tomam.



Escola Ciência Viva - Pavilhão do Conhecimento
EB Eng. Ressano Garcia e EB Paulino Montez
8 de fevereiro de 2019


Voltar