banner
Biodiversidade
Encontro com o botânico Jorge Paiva

O biólogo Jorge Paiva, professor jubilado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, veio à Escola Ciência Viva falar com os alunos sobre a importância da biodiversidade.




Neste sentido, disse que o nosso corpo está cheio de motores, sendo que um deles é o coração e tem de ter combustível, ou seja, comida. As plantas e os animais são o nosso combustível, por isso é tão importante manter a biodiversidade do nosso planeta.

O investigador também referiu que as plantas produzem o seu próprio alimento, através da energia solar e do carbono disponível na atmosfera. Para além disso, as plantas também se reproduzem, sendo na flor que estão os órgãos reprodutores. Algumas possuem as duas partes reprodutoras na mesma flor e outras estão separadas, como é o caso das pinhas. Nas plantas angiospérmicas (têm flor e fruto), nasce uma nova planta a partir das sementes inseridas nos frutos, sendo estes as suas próprias reservas de nutrientes, até que nasçam as primeiras folhas.




Dada a curiosidade dos alunos, explicou que as flores são coloridas para atrair os polinizadores e que, em muitos casos, são eles que transportam as partes masculinas das flores para as partes femininas. Algumas plantas em Portugal são polinizadas por insetos (ex: abelhas), que não conseguem ver a cor vermelha, por isso as flores vermelhas são típicas de outros países. No entanto, há frutos vermelhos porque são transportados pelas aves que já a conseguem ver. Disse ainda que nem todos os animais veem as cores da mesma maneira, isto é, há insetos que não veem a cor vermelha, mas conseguem ver outras cores que nós não vemos.

De seguida, os alunos da Escola Ciência Viva exploraram os espaços verdes nas imediações do Pavilhão do Conhecimento, numa visita guiada pelo investigador convidado. No contexto, observaram os pinheiros existentes e constataram que o pinheiro é uma planta hermafrodita, pois tem as partes masculinas e femininas na mesma árvore. Neste caso, o vento é o agente polinizador contribuindo para que a parte masculina chegue à feminina e se produza a semente.

Também aprenderam que os medronheiros demoram 1 ano até os frutos estarem prontos e são nativos de Portugal.




No final, os alunos ainda viram o Plátano Oriental, árvore que simboliza o conhecimento e que foi plantada no Largo José Mariano Gago em homenagem ao grande impulsionador da ciência em Portugal.



Escola Ciência Viva - Pavilhão do Conhecimento
EB Pedro de Santarém e EB José Salvado Sampaio
3 de maio de 2019


Voltar