banner
Conhecer o Lobo
Encontro com o biólogo Francisco Fonseca


O biólogo Francisco Fonseca, da FCUL, diretor do grupo Lobo, veio à Escola Ciência Viva para desmistificar e esclarecer algumas ideias sobre os Lobos.
Em muitas histórias o lobo é sempre mau, mas para perceber se corresponde à verdade temos de o conhecer.
Existem várias espécies de Lobos, adaptadas ao local onde vivem. Em Portugal, a espécie que existe é o lobo-ibérico (Canis lupus signatus), que é ligeiramente mais pequeno que outras espécies.

Antigamente (há cerca de 100 anos), ocupava todo o território de Portugal. Atualmente está confinado ao norte do país. Existem cerca de 300 lobos em Portugal, o equivalente a 15 turmas de alunos, 50 lobos abaixo do rio Douro e 250 acima.

Porque existem tão poucos?
Os lobos foram perseguidos pelos humanos devido aos prejuízos que causavam no gado e também a mitos relacionados com propriedades curativas que se dizia terem. A destruição do habitat, os incêndios e o desaparecimento das suas presas naturais contribuíram igualmente para a redução do número de exemplares.

As preocupações do Homem com o equilíbrio ambiental são muito recentes, o que levou a que, por vezes, fossem tomadas resoluções com consequências muito nefastas para o ecossistema. Estas decisões levaram a que algumas espécies, como os corsos, os veados e os javalis, começassem a desaparecer. Ora, como o alimento natural dos lobos desapareceu, houve necessidade de encontrar outras fontes de energia e o gado passou a ser uma alternativa. Esta escolha teve consequências e fez com que fossem ainda mais perseguidos.

Felizmente já existe uma lei de proteção do lobo ibérico (lei nº 90/88 e decreto-lei nº139/90) que o tornou uma espécie estritamente protegida. Esta lei permitiu travar a sua diminuição e o seu desaparecimento.




Escola Ciência Viva - Pavilhão do Conhecimento
EB o Leão de Arroios e EB S. João de Brito
19 de outubro de 2018


Voltar