banner
Andar, correr ou nadar, o que funciona melhor?
Encontro com o biólogo Francisco Andrade

Esta semana foi a vez do nosso cientista, Francisco Andrade, nos visitar na biblioteca do pavilhão Ciência Viva. Começou a sua intervenção colocando uma questão: O que é isto de ser um cientista? Descobre as coisas, ajuda a descobrir... disseram alguns alunos. “Ninguém pode ser cientista sem fazer perguntas” esclareceu-nos e fez a ligação com Isac Newton e a maçã que um dia lhe caiu em cima da cabeça quando descansava ou seja, questionou a razão que teria levado a maçã a cair, levando a uma descoberta muito importante.




“Andar, correr, nadar – o que funciona melhor?”, foi em torno deste tema que se desenvolveu o encontro. Para nos ajudar a compreender estas ideias começou por mostrar as imagens à escala de modo a possibilitar a comparação das dimensões entre a baleia, o elefante, o elefante marinho e o homem. Sendo a baleia azul o maior animal e que vive dentro de água e o elefante o maior terrestre. Sendo a baleia azul 10x maior que o elefante.

Então, se existe um animal tão grande e pesado no mar por que não existe um fora de água? Poderia haver baleias em terra?

Para responder a esta questão Francisco Andrade fez connosco uma experiência: medimos a massa de um peixe dentro e fora de água e concluímos que dentro de água somos mais leves e é por esse motivo que as baleias conseguem viver num ambiente aquático, mas que fora de água e com a sua dimensão e massa morreria esmagada pela gravidade. De modo a melhor compreendermos a grandeza das baleias, apresentou-nos uma vértebra de uma otária e deslumbrou-nos com uma vértebra de uma baleia de 16 metros.





Para além das diferentes dimensões entre os animais também a velocidade foi analisada. Primeiro estudámos o meio, será o terrestre ou o aquático? Haverá diferença? E, para isso, o nosso cientista apresentou-nos dois homens que detêm recordes de velocidade – Michael Phelps, nada a um pouco menos de 8 Km/h e Usain Bolt, corre a mais de 37 Km/h.

Então qual é razão para haver esta diferença de velocidade dentro e fora de água? Para sabermos realizámos uma experiência com um tubo de um metro e meio com água, dois berlindes e dois cronómetros. Com a ajuda de dois alunos, deixaram cair ao mesmo tempo e à mesma altura um berlinde dentro de água e outro fora. Concluiu-se que o objeto se desloca em menor velocidade dentro de água. A razão prende-se com o facto da água causar atrito e resistência.






Escola Ciência Viva - Pavilhão do Conhecimento
EB Raúl Lino e EB Sampaio Garrido
21 de outubro de 2016




Voltar