banner
Alterações climáticas, biodiversidade e alimentação
Encontro com o biólogo David Avelar

Esta semana tivemos a honra de receber o cientista convidado na nossa sala de aula. David Avelar fez-se acompanhar de uma colega, a Joana Rodrigues, ambos biólogos - cientistas que estudam a vida – especificamente as alterações climáticas, biodiversidade e alimentação.




Na opinião de David, um cientista é alguém que está sempre a fazer perguntas e, talvez devido a isso, a sua intervenção foi no sentido de fazer de todos nós cientistas – levar-nos a questionar e a pensar. Deste modo, a sessão foi acompanhada por imagens que nos permitiu observar e discutir os diferentes conceitos.




sclareceu-nos que podemos estudar o clima de quatro formas diferentes: através de balões atmosféricos lançados para a atmosfera, do estudo das árvores, dos corais e do gelo. Com os dados recolhidos através destes elementos conseguimos perceber como foi o clima em tempos passados, representado num gráfico as anomalias da temperatura e da variação da concentração de dióxido de carbono ao longo dos anos

– indicadores das alterações climáticas. Seguidamente refletimos sobre o modo como as concentrações de CO2 chegam até à atmosfera e achámos que podem ser devidas aos fumos libertados pelas fábricas e veículos automóveis, à combustão de florestas e, também, ao metano (gás libertado pelos bovinos). Devido ao aumento da concentração de CO2 as temperaturas também aumentam e chegámos à conclusão que existem consequências tanto para o planeta (secas, cheias, degelo, furações) como para os seres vivos que habitam nessas zonas (perda de habitat, alimento).

Concluindo: o que está a acontecer ao nosso clima?

  • “A água está a evaporar, pois o céu está a ficar mais quente” (aluno)
  • “O céu está a ficar mais quente porque estamos a deitar gases para o ar” (aluno)

  • gases esses nocivos para o ambiente e com consequências para o nosso planeta.

    Seguidamente explorámos o significado de Biodiversidade – diferença que existe de vida – algo muito complexo – relações entre os seres vivos e a dependência do sol, água e ar. Alertou-nos para o facto de existirem diferenças nas plantas (altura, crescimento, formas das folhas) e mostrou-nos a mais alta árvore do mundo – uma sequóia; a maior flor do mundo – um cato que vive no deserto e árvore com maior longevidade – uma oliveira.


    Ainda nos responderam a algumas das nossas curiosidades e esclareceram-nos como se tornaram cientistas, a importância de ser cientista e, por último mas a mais difícil de responder, se é possível inventar uma poção mágica que consiga dar amor às pessoas. No final arregaçámos as mangas e, em pequenos grupos, colocámos as mãos na terra onde aprendemos sobre solo, composto e algumas plantas como a alface, couve portuguesa, hortelã e pimentos que plantámos na horta da escola Ciência Viva.





    Escola Ciência Viva - Pavilhão do Conhecimento
    EB Prof.ª Aida Vieira e EB Alta de Lisboa
    30 de setembro de 2016




    Voltar