banner
Flutua ou não flutua?
Encontro com o físico Carlos Fiolhais

Numa tina cheia de água, Carlos Fiolhais com ajuda dos pequenos cientistas, testou diferentes materiais para verificar se afundavam ou flutuavam.




Com estas experiências introduziu o conceito de densidade e explicou que nada tem a ver com o tamanho do objeto.




Para comprovar o que acabava de afirmar colocou, dentro da tina com água, uma maçã e uma batata de tamanhos semelhantes: a batata afundou e a maçã flutuou. Mesmo cortando a batata em pedaços mais pequenos que a maçã, eles continuavam a afundar.
A explicação veio de seguida: é que a batata é constituída por matéria que é mais densa que a água, ao contrário da maçã.




A curgete, que é um vegetal muito grande, também flutua porque muita da sua matéria é água.




O desafio seguinte consistiu em pensar no que iria acontecer a um melão quando colocado dentro da tina com água: afunda ou flutua? E uma nêspera? E uma cereja?
Para espanto dos alunos, observaram que o melão flutuava e a nêspera e a cereja, apesar de serem muito mais pequenas, iam ao fundo.




Sendo mais pequena porque é que é mais densa? Porque todas as substâncias são constituídas por átomos, que podem ser diferentes ou ter organizações diferentes, e fazem com que a densidade das substâncias não seja igual.

Para além da constituição dos materiais, também a sua forma influencia a capacidade de flutuar ou não. Uma bola de plasticina vai ao fundo, mas se for transformada numa espécie de barco flutua.


Falou-nos de Arquimedes, cientista que ficou conhecido por descobrir mais sobre o que faz com que um objeto flutue ou não e contou-nos a origem da palavra: Eureka!

Por fim, Carlos Fiolhais explicou aos alunos que a água exerce uma força que empurra os objetos para cima e que se chama força de impulsão. A força peso é exercida para baixo e a impulsão para cima. Quando as duas forças são iguais o objeto está em equilíbrio e flutua.



Escola Ciência Viva - Pavilhão do Conhecimento
EB Mestre Querubim Lapa e EB Sarah Afonso
25 de maio de 2017


Voltar